Os olhos são órgãos fundamentais para aprendermos o universo em que estamos inseridos. Na verdade, eles funcionam como uma câmera fotográfica constituída por lentes que captam a imagem e a conduzem ao cérebro, onde realmente se processa a visão.

Para que o olho cumpra seu papel é preciso que haja luz. Entretanto, isso não basta se ocorrerem alguns defeitos de visão. Por exemplo, pessoas com hipermetropia enxergam mal de perto. Nos míopes, é a visão de longe que está comprometida e quem tem astigmatismo vê tudo embaçado.

Os óculos nada mais são do que lentes que corrigem esses defeitos, que podem acometer pessoas de qualquer idade. Porém, com o passar dos anos, quase ninguém dispensa os óculos para ler ou executar uma tarefa que exija acuidade visual.
Conheça outras doenças oculares que podem até provocar a cegueira.

CATARATA
Catarata é a perda da transparência do cristalino, lente natural do olho que fica atrás da pupila. No início, a pessoa vê como se os óculos estivessem embaçados, como se houvesse uma névoa diante de seus olhos. Tenta limpar as lentes, pisca com força, mas a névoa permanece inalterada. A catarata se desenvolve dentro do olho, atrás da pupila, que fica branca e opaca em estágios mais avançados da doença, quando a visão está completamente comprometida e a pessoa enxerga apenas vultos.
Catarata Senil
Aparece devido ao envelhecimento do cristalino, geralmente em pessoas com mais de 50 anos. É a principal causa da cegueira curável no mundo.
Catarata do Adulto
Pode ser causado por vários motivos: acidentes com batida no olho, trauma de crânio, diabetes, glaucoma, etc. Atinge pessoas de qualquer idade.
Catarata Congênita
Aparece em crianças, logo após o nascimento. É um tipomais raro que a catarata senil e deve ser tratada logo nos primeiros dias de vida.

GLAUCOMA
Glaucoma é uma doença ocular causada principalmente pela elevação da pressão intra-ocular que provoca lesões no nervo óptico. Há vários tipos de glaucoma, o mais comum é o glaucoma crônico simples.
Dentro dos olhos existe um líquido transparente chamado "humor aquoso". Este líquido se forma, circula e sai do olho, e é muito importante para nutrir e manter as estruturas dos olhos normais. No entanto, quando ele tem dificuldades de sair do olho, a pressão intra‑ocular aumenta de forma progressiva causando a lesão do nervo óptico.
No início da doença, geralmente, o paciente não sente nada nos olhos e a visão é normal. Na maioria dos casos o glaucoma progride lentamente sem que o paciente se dê conta da perda gradual da visão periférica. Depois, o campo visual vai estreitando progressivamente até transformar-se em visão tubular. Sem tratamento, o paciente fica cego.

O risco de ter glaucoma aumenta com a idade, sendo mais comum aos 40 anos. Além disso, pessoas com casos de glaucoma na família têm risco maior de apresentar a doença, assim como os portadores de diabetes. Considerar também que pessoas da raça negra têm maior predisposição de serem afetadas. 
Glaucoma congênito
Crianças podem ter o chamado glaucoma congênito ou glaucoma infantil. O tipo mais comum é o glaucoma congênito primário que se instala logo após o nascimento, ou a criança já nasce com alterações no olho provocadas por hipertensão intra-ocular que ocorreu durante a gestação. As manifestações clínicas aparecem no decorrer do primeiro ano de vida e se caracterizam por globo ocular aumentado e alterações na transparência da córnea que fica branco-azulada, como se uma membrana estivesse cobrindo o olho.

RETINOPATIA
É o termo utilizado para designar lesões, não inflamatórias, da retina ocular. Normalmente é associada a deficiente aporte sanguíneo. Os tipos de lesões mais freqüentes são: por diabetes, por hipertensão arterial e da prematuridade.
Retinopatia diabética
É a mais comum das doenças oculares ligadas ao diabetes e é a maior causa da cegueira entre adultos. Ela é causada por alterações nos vasos sanguíneos da retina, o tecido sensível à luz que fica localizado no fundo do olho.
Em algumas pessoas os vasos sanguíneos podem romper e perder fluidos, em outras, crescem novos vasos sanguíneos anormais na superfície da retina. Ao longo do tempo, a retinopatia pode piorar e causar perda parcial da visão ou cegueira total.
Retinopatia Hipertensiva
Este distúrbio ocorre quando a pressão arterial torna-se extremamente elevada. Áreas da retina são lesadas porque o suprimento sangüíneo é inadequado e, no decorrer do tempo, ocorre um acúmulo de gordura na retina.
Essas alterações comprometem a visão do paciente e exigem um tratamento de urgência. O tratamento consiste em reduzir a pressão arterial elevada que é a causa do problema.
Retinopatia da prematuridade
É o crescimento desorganizado dos vasos sangüíneos que suprem a retina do bebê. Esses vasos podem sangrar e, em casos mais sérios, a retina pode descolar e ocasionar a perda da visão da criança.
Isso acontece mais em bebês prematuros pela imaturidade desses vasos sanguíneos. Os vasos terminam de se formar até o final da gestação e nos prematuros não estão totalmente formados.
A retinopatia da prematuridade é uma das maiores causas de cegueira no Brasil.